Pular para o conteúdo principal

BIOGRAFIA DE MONTEIRO LOBATO

Essa reportagem foi retirada da revista  NOVA ESCOLA

http://revistaescola.abril.com.br/fundamental-1/monteiro-lobato-criador-mundo-fabuloso-634267.shtml

 MONTEIRO LOBATO, O CRIADOR DE UM MUNDO FABULOSO

No dia de seu aniversário, 18 de abril, comemora-se o Dia Nacional do Livro Infantil. Apenas uma mostra da importância da obra e da criatividade de um dos maiores gênios da literatura brasileira
Ricardo Ampudia (novaescola@fvc.org.br)


Monteiro Lobato: precursor da literaturainfantil brasileira no século 20


Nenhum autor é tão representativo da literatura infantil brasileira do século 20 quanto Monteiro Lobato. Seu primeiro livro para crianças, A Menina do Narizinho Arrebitado, foi publicado em 1920 e, desde então, sua fantasia já atravessou décadas e segue para a terceira geração de leitores, em várias re-edições e até adaptações para a televisão, do mundo hiperrealístico do Sítio do Pica-pau Amarelo.
Nesse lugar fantástico acontecem as aventuras de Narizinho e Pedrinho na companhia de Visconde de Sabugosa, um sabugo de milho que era um sábio, Emília, uma boneca de pano falante, Quindim, um rinoceronte domesticado e Rabicó, um porco com título de marquês. Tudo sob a tutela de uma ama negra superprotetora, Tia Nastácia, e de Dona Benta, a avó das crianças. Vislumbrado pela literatura infantil mundial, Lobato fez também Peter Pan, Alice, personagens da mitologia e até o Gato Félix passearem pelo Sítio.
Por meio de linhas inventivas ou críticas, o escritor retratou um Brasil cultural e socialmente atrasado e, ao mesmo tempo, deixou-se também levar pela fantasia do imaginário infantil, no qual criou seu maior legado à literatura brasileira: a possibilidade de criar o impossível.

Biografia
Nascido em 18 de abril de 1882, em Taubaté, no Vale do Paraíba (interior de São Paulo), José Renato Monteiro Lobato - que, mais tarde resolveu mudar sou nome para José Bento Monteiro Lobato - já demonstrava gosto pela leitura e pela escrita desde os tempos de escola, escrevendo para jornaizinhos acadêmicos quando adolescente.
Perdeu o pai aos 15 anos e a mãe, aos 16. Seguindo a vontade do avô, concluiu os estudos e cursou Direito na Faculdade do Largo São Francisco, em São Paulo.
Foi nomeado promotor público na cidade de Areias, no interior do estado, mas não exerceu a função por muito tempo. Após a morte do avô, mudou-se para Buquira (hoje Monteiro Lobato), para morar em uma fazenda que herdara.
Ali iniciou sua projeção como grande escritor. Com base em personagens reais, criou o mundo fantástico do Sítio do Pica-Pau Amarelo e fez a denúncia da exclusão social com artigos para o jornal O Estado de S. Paulo. Esses textos, protagonizados pela figura de Jeca Tatu, formariam seu primeiro livro Urupês, em 1918.
Entediado com a vida na fazenda e sem o rendimento esperado, vendeu a propriedade e comprou a Revista do Brasil, abrindo espaço para novos nomes da literatura mostrarem seu trabalho. Com o grande fluxo de trabalhos, o negócio cresceu e virou editora, mas fechou as portas anos mais tarde, em 1925, devido à crise da indústria nacional e clima político instável da época.
Após um breve período nos Estados Unidos a serviço do governo de Washington Luís, voltou para o Brasil e iniciou uma luta em defesa do petróleo e do ferro com forte cunho nacionalista e crítico ao governo de Getúlio Vargas, o que lhe rendeu três meses na cadeia em 1940, além da apreensão e destruição de algumas obras à venda.
Em meio a um clima político pesado e sob a censura, Monteiro Lobato se aproximou dos comunistas liderados por Luís Carlos Prestes. Foi à Argentina lançar alguma de suas obras e voltou ao país em 1947. Faleceu no ano seguinte, aos 66 anos,  vítima de um derrame, deixando como herança mais de 30 livros publicados, uma obra reverenciada até hoje.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto Identidade para Berçário

Mais uma vez, em minhas andanças e procuras, encontrei mais um ótimo trabalho. E este nem foi muito longe. Ao lado de minha sala de aula, encontrei o “Projeto  Identidade”, que a professora Cláudia Quiles e sua equipe, Eliene Pereira e Neusa Brandão do  CEIM Claudina estão realizando com seus alunos, na sala do Berçário II. Na faixa de 0 a 3 anos, explorar o eixo identidade e autonomia envolve ajudar os pequenos a desenvolver o reconhecimento da própria imagem,essas oportunidades de exploração vão ajudá-los a manter o contato com a própria imagem e a identificar a figura do outro. Além disso, você pode trabalhar características diversas, partes do corpo,desenvolver a coordenação motora do aluno ao realizar as atividades e ao mesmo tempo em que estará também podendo explorar as cores.

Você vai precisar de:
Caixas de leite  ( mesma quantidade de alunos da sala) Guache Papel pardo 1 fotografia de cada aluno
Desenvolvimento: Primeiramente é necessário encher as caixas com papel (qualquer tipo) p…

Roda de Música

O referencial curricular da Educação infantil orienta o trabalho   com seis eixos. São eles: movimento, música, artes visuais, linguagem oral e escrita, natureza e sociedade e matemática.

MÚSICA

A música consiste numa linguagem capaz de “expressar e  comunicar sensações, sentimentos e pensamentos”. Ela esta presente em várias culturas e consiste numa importante forma  de expressão humana.  Ainda, a musica esta presente na nossa vida diária e desde cedo as crianças entram em contato com ela, aprendendo e atribuindo a música significados culturais. Vale lembrar que ela integra aspectos sensíveis, fetivos, estéticos e cognitivo daí a importância do trabalho com este eixo.
Musica para atender a objetivos como:
• Formação de hábitos
• Atitudes/ comportamentos
• Comemorações (datas)
• Memorizações de conteúdos como n.º e seqüência matemática
• Desenvolvimento do senso rítmico com a formação do  desenvolvimento motor, auditivo e do domínio rítmico.


PIRULITO QUE BATE BATE

Pirulito que bate b…

Atividades com números

Lista de Chamada

Capas para Cadernos, Trabalhinhos...

Arquivo

Mostrar mais

CURTA NOSSA FAN PAGE

DE A a Z

Mostrar mais