Pular para o conteúdo principal

Festas juninas , festas dos santos populares ou festas de São João


Festas juninas , festas dos santos populares ou festas de São João ,são celebrações que acontecem em vários países historicamente relacionadas com a festa pagã do solstício de verão na europa ou do inverno no Brasil, que era celebrada no dia 24 de junho (Dia de são João).

TRADIÇÕES E COSTUMES

Origem da fogueira

De origem europeia, as fogueiras juninas fazem parte da antiga tradição pagã de celebrar o solstício de verão, simbolizava proteção contra os maus espíritos  que atrapalhavam a prosperidade das plantaçoes, a festa realizada em volta da fogueira é para agradecer as fartas colheitas.
 Uma lenda católica cristianizando a fogueira pagã estival afirma que o antigo costume de acender fogueiras no começo do verão europeu tinha suas raízes em um acordo feito pelas primas Maria (Mãe de Jesus) e Isabel. Para avisar Maria sobre o nascimento de São João Batista e assim ter seu auxílio após o parto, Isabel teria de acender uma fogueira sobre um monte.junio camargo.No Brasil faz parte da tradição as pessoas saltarem as fogueiras e até caminharem sobre as brasas.
Saltar a fogueira tem um sentido simbólico e arquetípico de purificação, reduzindo a cinzas as lembranças ou pensamentos negativos.É como um tipo de batismo, purificador e profano pelo fogo.

O uso de balões

Costume originário da China, o balão representa uma oferenda às divindades, uma mensagem da terra para o reino dos céus.
O uso de balões e fogos de artifício durante o São João no Brasil, está relacionado com o tradicional uso da fogueira junina e seus efeitos visuais. Este costume foi trazido pelos portugueses para o Brasil
Os fogos de artifício, segundo a tradição popular, servem para despertar São João Batista. Os balões, no entanto, constituem atualmente uma prática proibida por lei em muitos locais, devido ao risco de incêndio.
Durante todo o mês de junho é comum, principalmente entre as crianças, soltar bombas, conhecidas por nomes como traque, chilene, cordão, cabeção-de-negro, cartucho, treme-terra, rojão, buscapé, cobrinha, espadas-de-fogo.


O mastro de São João

É erguido durante a festa junina para celebrar os três santos ligados a essa festa. No Brasil, no topo de cada mastro são amarradas em geral três bandeirinhas simbolizando os santos. Tendo hoje em dia uma significação cristã bastante enraizada e sendo, entre os costumes de São João, um dos mais marcadamente católico, o levantamento do mastro tem sua origem, no entanto, no costume pagão de levantar o "mastro de maio", ou a árvore de maio, costume ainda hoje vivo em algumas partes da Europa.
Hoje em dia, um rico simbolismo católico popular está ligado aos procedimentos envolvendo o levantamento do mastro e os seus enfeites.

A Quadrilha

A quadrilha surgiu nos salões da corte francesa, recebendo o nome de “quadrille”, mas é de origem inglesa, uma dança de camponeses chamada “Campesine”. Na época de colonização do Brasil, os portugueses trouxeram essa dança, bem como seus principais elementos, como, vestidos, passos, e agradecimentos aos santos pelas boas safras.
No Brasil, recebeu o nome de junina (chamada inicialmente de joanina, de São João), porque acontece no mês de junho. Além de Portugal, a tradição veio de outros países europeus cristianizados dos quais são oriundas as comunidades de imigrantes, chegados a partir de meados do século XIX.
Ao longo do século XIX, a quadrilha se popularizou no Brasil e se fundiu com danças brasileiras pré-existentes e teve subsequentes evoluções (entre elas o aumento do número de pares e o abandono de passos e ritmos franceses). Ainda que inicialmente adotada pela elite urbana brasileira, esta é uma dança que teve o seu maior florescimento no Brasil rural (daí o vestuário campesino), e se tornou uma dança própria dos festejos juninos, principalmente no Nordeste.
Muitas danças usam os passos marcados da quadrilha como o fandango. A quadrilha é uma dança característica dos caipiras e por isso as roupas são remendadas e bem alegres e as calças coloridas.
A festa de São João brasileira é típica da Região Nordeste. Por ser uma região árida, o Nordeste agradece anualmente a São João, mas também a São Pedro, pelas chuvas caídas nas lavouras. Em razão da época propícia para a colheita do milho, as comidas feitas de milho integram a tradição, como a canjica e a pamonha.
O local onde ocorre a maioria dos festejos juninos é chamado de arraial, um largo espaço ao ar livre cercado ou não e onde barracas são erguidas unicamente para o evento, ou um galpão já existente com dependências já construídas e adaptadas para a festa. Geralmente o arraial é decorado com bandeirinhas de papel colorido, balões e palha de coqueiro ou bambu. Nos arraiais acontecem as quadrilhas, os forrós, leilões, bingos e os casamentos matutos.

Os comandos mais utilizados da quadrilha são:
BALANCÊ (balancer) - Balançar o corpo no ritmo da música, marcando o passo, sem sair do lugar.
É usado como um grito de incentivo e é repetido quase todas as vezes que termina um passo. Quando um comando é dado só para os cavalheiros, as damas permanecem no BALANCÊ. E vice-versa,
ANAVAN (en avant) - Avante, caminhar balançando os braços.
RETURNÊ (returner) - Voltar aos seus lugares.
TUR (tour) - Dar uma volta: Com a mão direita, o cavalheiro abraça a cintura da dama. Ela coloca o braço esquerdo no ombro dele e dão um giro completo para a direita.

Passos da quadrilha:
01. Forma-se uma fileira de damas e outra de cavalheiros. Uma, diante da outra, separadas por uma distância de 2,5m. Cada cavalheiro fica exatamente em frente à sua dama. Começa a música. BALANCÊ é o primeiro comando.
02. CUMPRIMENTO ÀS DAMAS OU "CAVALHEIROS CUMPRIMENTAR DAMAS"
Os cavalheiros, balançando o corpo, caminham até as damas e cada um cumprimenta a sua parceira, com mesura, quase se ajoelhando em frente a ela.
03. CUMPRIMENTO AOS CAVALHEIROS OU "DAMAS CUMPRIMENTAR CAVALHEIROS"
As damas, balançando o corpo, caminham até aos cavalheiros e cada uma cumprimenta o seu parceiro, com mesura, levantando levemente a barra da saia.
04. DAMAS E CAVALHEIROS TROCAR DE LADO
Os cavalheiros dirigem-se para o centro. As damas fazem o mesmo.
Com os braços levantados, giram pela direita e dirigem-se ao lado oposto. Os cavalheiros vão para o lugar antes ocupado pelas damas. E vice-versa,
05. PRIMEIRAS MARCAS AO CENTRO
Antes do início da quadrilha, os pares são marcados pelo no. 1 ou 2. Ao comando "Primeiras marcas ao centro , apenas os
pares de vão ao centro, cumprimentam-se, voltam, os outros fazem o "passo no lugar . Estando no centro, ao ouvir o marcador
pedir balanceio ou giro, executar com o par da fileira oposta. Ouvindo "aos seus lugares , os pares de no. 1 voltam à posição anterior. Ao comando de "Segundas marcas ao centro , os pares de no. 2 fazem o mesmo.
06. GRANDE PASSEIO
As filas giram pela direita, se emendam em um grande círculo. Cada cavalheiro dá a mão direita à sua parceira. Os casais passeiam em um grande círculo, balançando os braços soltos para baixo, no ritmo da música.
07. TROCAR DE DAMA
Cavalheiros à frente, ao lado da dama seguinte. O comando é repetido até que cada cavalheiro tenha passado por todas as damas e retornado para a sua parceira.
08. TROCAR DE CAVALHEIRO
O mesmo procedimento. Cada dama vai passar portadas os cavalheiros até ficar ao lado do seu parceiro.
09. O TÚNEL
Os casais, de mãos dados, vão andando em fila. Pára o casal da frente, levanta os braços, voltados para dentro, formando um arco. O segundo casal passa por baixo e levanta os braços em arco. O terceiro casal passa pelos dois e faz o mesmo. O procedimento se repete até que todos tenham passado pela ponte.
10. ANAVAN TUR
A doma e o cavalheiro dançam como no TUR. Após uma volta, a dama passa a dançar com o cavalheiro da frente. O comando é repetido até que cada dama tenha dançado com todos os cavalheiros e alcançado o seu parceiro.
11. CAMINHO DA ROÇA
Damas e cavalheiros formam uma só fila. Cada dama à frente do seu parceiro. Seguem na caminhada, braços livres,balançando. Fazem o BALANCË, andando sempre para a direita.
12. OLHA A COBRA
Damas e cavalheiros, que estavam andando para a direita, voltam-se e caminham em sentido contrário, evitando o perigo.
Vários comandos são usados para este passo: "Olha a chuva , "Olha a inflação , Olha o assalto , "Olha o (cita-se o nome de um político impopular na região). A fileira deve ir deslizando como uma cobra pelo chão.
13. É MENTIRA
Damas e cavalheiros voltam a caminhar para a direita. Já passou o perigo. Era alarme falso.
14. CARACOL
Damas e cavalheiros estão em uma única fileira. Ao ouvir o comando, o primeiro da fila começa a enrolar a fileira, como um caracol.
15. DESVIAR
É o palavra-chave para que o guia procure executar o caracol, ao contrário, até todos estarem em linha reta.
16. A GRANDE RODA
A fila é único agora, saindo do caracol. Forma-se uma roda que se movimenta, sempre de mãos dados, à direita e à esquerdo como for pedido. Neste passo, temos evoluções. Ouvindo "Duas rodas, damas para o centro ; as mulheres vão ao centro, dão as mãos.
Na marcação "Duas rodas, cavalheiros para dentro , acontece o inverso, As rodas obedecem ao comando,movimentando para a direita ou para esquerda. Se o pedido for "Damas à esquerda e "Cavalheiros à direita ou vice-versa, uma roda se desloca em sentido contrário à outra, seguindo o comando.
17. COROAR DAMAS
Volta-se à formação inicial das duas rodas, ficando as damos ao centro. Os cavalheiros, de mãos dados, erguem os braços sobre as cabeças das damas. Abaixam os braços, então, de mãos dados, enlaçando as damas pela cintura. Nesta posição, se deslocam para o lado que o marcador pedir.
18. COROAR CAVALHEIROS
Os cavalheiros erguem os braços e, ao abaixar, soltam as mãos. Passam a manter os braços balançando, junto ao corpo. São as damas agora, que erguem os braços, de mãos dados, sobre a cabeça dos cavalheiros. Abaixam os braços, com as mãos dados, enlaçando os cavalheiros pela cintura. Se deslocam para o lado que o marcador pedir.
19. DUAS RODAS
As damas levantam os braços, abaixando em seguida. Continuam de mãos dados, sem enlaçar os cavalheiros, mantendo a roda. A roda dos cavalheiros é também mantida. São novamente duas rodas, movimentando, os duos, no mesmo sentido ou não, segundo o comando. Até a contra-ordem!
20. REFORMAR A GRANDE RODA
Os cavalheiros caminham de costas, se colocando entre os damas. Todos se dão as mãos. A roda gira para a direita ou para a esquerda, segundo o comando.
21. DESPEDIDA
De um ponto escolhido da roda os pares se formam novamente, Em fila, saem no GALOPE, acenando para o público. A quadrilha está terminada. Nas Festas Juninas Mineiras, após o encerramento da quadrilha, os músicos continuam tocando e o espaço é liberado para os casais que queiram dançar.

Pau de sebo
A origem cultural dessa brincadeira é grega, foi criada para homenagear o deus da fertilidade, representa a fertilidade masculina e era usada como forma de cultuar os deuses,  porém com o passar dos anos a cultura foi sendo modificada, e hoje pau de sebo é apenas uma brincadeira.
A brincadeira consiste em tentar subir em um tronco reto e liso previamente banhado de sebo ou graxa, ou qualquer outra substância gordurosa, para tentar apanhar um prêmio que se encontra em seu topo. A altura pode chegar a mais de oito metros e são permitidos truques, tal como trabalho em equipe onde um sobe no ombro do outro tentando ganhar altura. O fato é que na maioria das vezes não se consegue o prêmio, mas sim muita sujeira e melação.
É uma diversão para todos que desejem participar, ao contrario de antigamente quando apenas homens poderiam. Ao final da tarde, após consumada a derrota , o prêmio, que geralmente é em importância viva, é distribuído entre os festejantes em forma de "comes e bebes".

Bandeirinhas
Os três santos homenageados na festa tinham suas imagens estanpadas em bandeirinhas coloridas e imersas em água, a famosa lavagem dos santos. Com isso , acredita-se que a agua fica purificada, fazendo a purificação das pessoas que se molham com elas. Com o passar dos anos essas bandeiras foram substituidas pelas bandeirinhas  menores, que trazem a mesma simbologia de purificar o ambiente da festa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Atividades com números

Projeto Alimentação para Maternal

Projeto Alimentação, Saúde e Higiene
Prof. Dessire Fernandes Saldanha


OBJETIVO GERAL: ·Reconhecer os diferentes tipos de alimentos, desenvolvendo os sentidos, estimulando  a linguagem oral e visual. ·Reconhecer a importância de ingerir alimentos saudáveis e higienizados para sua própria saúde.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS: ·Incentivar aos bons hábitos alimentares; ·Incentivar hábitos de higiene, como lavar as mãos, escovar dentes, tomar banho, entre outros. ·Identificar as preferências alimentar dos alunos; ·Conscientizar os alunos sobre a importância de nos alimentamos; ·Reconhecer os alimentos que fazem bem à nossa saúde dando ênfase aos alimentos saudáveis e a higienização dos alimentos. ·Identificar cores, texturas e os diferentes sabores dos alimentos. ·Reconhecer que o corpo suja, e que há necessidade de higiene diária.
Conteúdos Curriculares
1. Linguagem oral e escrita
• Registro da canção ( A Sopa do Neném)  para visualização das palavras. • Contagem de letras e palavras; discriminação de letras e…

Roda de Música

O referencial curricular da Educação infantil orienta o trabalho   com seis eixos. São eles: movimento, música, artes visuais, linguagem oral e escrita, natureza e sociedade e matemática.

MÚSICA

A música consiste numa linguagem capaz de “expressar e  comunicar sensações, sentimentos e pensamentos”. Ela esta presente em várias culturas e consiste numa importante forma  de expressão humana.  Ainda, a musica esta presente na nossa vida diária e desde cedo as crianças entram em contato com ela, aprendendo e atribuindo a música significados culturais. Vale lembrar que ela integra aspectos sensíveis, fetivos, estéticos e cognitivo daí a importância do trabalho com este eixo.
Musica para atender a objetivos como:
• Formação de hábitos
• Atitudes/ comportamentos
• Comemorações (datas)
• Memorizações de conteúdos como n.º e seqüência matemática
• Desenvolvimento do senso rítmico com a formação do  desenvolvimento motor, auditivo e do domínio rítmico.


PIRULITO QUE BATE BATE

Pirulito que bate b…

CIÊNCIAS NATURAIS E SOCIEDADE

ÁREA: ciências naturais e sociedade                                               
OBJETIVO: Destacar os  diferentes tipos de sabores.
CONTEÚDO: Sabor azedo, amargo, doce e salgado.
PROCEDIMENTO: Destacar os quatro tipos de sabores como doce, salgado, azedo e amargo através da degustação de variados alimentos, como limão, mel, sal e outros.

ÁREA: ciências naturais e sociedade                                               
OBJETIVO: Incentivar a higiene pessoal
CONTEÚDO: Confeccionar um cartaz com hábitos de higiene.
PROCEDIMENTO: confeccionar um cartaz com os alunos sobre higiene pessoal, será usado imagens e embalagens de produtos de higiene ( sabonete, xampoo, escova de dente, escova de cabelo, creme dental...). Será feita roda de conversa sobre os produtos e os alunos ajudarão a colar as embalagens no cartaz.

ÁREA: ciências naturais e sociedade                                               
OBJETIVO: Incentivar uma alimentação saudável
CONTEÚDO: Confeccionar um cartaz com alimentos saudáveis…

Primavera

faça um livro sobre a primavera com seus alunos, são 6 atividades com pinturas ou recorte, depois as reúnas e faça uma capa.
UMA ÁRVORE A BALANÇAR


UMA BORBOLETA A VOAR



UMA FLOR PARA EMBELEZAR



UM PEIXE A NADAR



UM PATO A NADAR



UM SOL A BRILHAR É A PRIMAVERA QUE CHEGOU PARA TODOS ALEGRAR.


Arquivo

Mostrar mais

CURTA NOSSA FAN PAGE

DE A a Z

Mostrar mais